Bancos de Spread e Bancos de Risco

O perigoso uso de derivativos

Derivativos

Bancos de spread são bancos que trabalham fatores de risco idênticos na captação e nas suas operações de crédito. São normalmente bem equilibrados em termos de duration (prazo) e volume de operações. Podem ou não usar ou não derivativos de forma intensa.

Bancos de risco, por outro lado, … 

 

Clipping no TRISK

Clipping

O Sistema TRISK tem novidades…

  • Clipping de notícias
    • Por fonte
    • Para todos os bancos
    • Priorizado por impacto
    • Classificado, foco investidor

Sabemos tudo sobre bancos…e você?

 

WorkShop Duxus

WorkShop

 

Hotsite para Prefeitura de SP – 2016

Candidatos SP

Lançamento do hotsite de reputação de pré-candidatos à Prefeitura de São Paulo.

Atualização em tempo real.

 

Reputação de Políticos – SP

Força da Reputação Quem vai ganhar a eleição de SP?

… 

 

Basileia 2015 – 2019

Basileia

Novos índices de capital de 2015 a 2019 contendo adicionais de: capital, contracíclico e sistêmico. … 

 

Reputação – Alocação de Capital para Bancos

ReputaçãoMuito se exige dos bancos para acompanhamento e mensuração de risco de reputação, mas pouco se define.

Esta falta de definição se dá pela dificuldade de definição de uma métrica. A seguir, uma sugestão de metodologia de alocação de capital para risco reputacional, incluindo resultado para alguns bancos.

… 

 

Matalotagem de Crédito e Índice de Arrasto

Obra de Vicente do Rego Monteiro, da Galeria do BACEN

Obra de Vicente do Rego Monteiro, da Galeria do BACEN

O sistema bancário é fiscalizado e acompanhado. Esta é, pelo menos, a crença comum.

Este processo de fiscalização e acompanhamento, ou supervisão bancária, é realizado através de muitas informações enviadas para o Banco Central do Brasil e também através do cumprimento de várias regras de conduta.

Dentre estas regras, existe a matalotagem (do jargão naval) ou simplesmente a provisão de crédito.

… 

 

Ranking de Risco Bancário – jun/15

ranking-junho-15Quanto mais alto, melhor! … 

 

VaR – Value at Risk – Parte III

ibovespa

Na parte I e II, foi apontada a confiança em 95%, a tolerância de 1%, que define o histórico de tempo e o decaimento prévio  – e ainda não razoável – de 0,94.

Falta definir amostragem, multiplicidade de ativos e validação do modelo. Neste tópico, será tratada a amostragem. …