3° Workshop Duxus de Risco

Instituições de Pagamento x Basileia

Avaliando o controle de gestão de capital exclusivamente dos conglomerados prudenciais representativos de IP’s (ou instituições de pagamentos) e tomando como data-base o mês de set/2023, último divulgado, 35,7% das IP’s apresentam índice de Basileia inferior a 10,5% (limite aproximado para instituições financeiras).

Este percentual, além de muito grande, independe do tamanho da IP.

“Houston, we have a problem”

Documento DRSAC 2030 na Prática

Como transformamos os dados gerados pelo Serviço EcoRisk em parâmetros de resposta para o DRSAC?

Com o objetivo de atender aos requisitos regulatórios relacionados ao gerenciamento de riscos socioambientais e climáticos estabelecidos pelo BACEN, incorporamos o DRSAC 2030.

Neste artigo, vamos demonstrar como transformamos os dados gerados pelo EcoRisk (API de Risco Socioambiental e Climático) em parâmetros de resultados para o DRSAC. Os tópicos abordados serão:

  • Conversão de alertas do EcoRisk para critérios DRSAC;
  • Preenchimento automático de emissões GEE; e
  • Últimas palavras.

Conversão de Alertas do EcoRisk para Critérios DRSAC

A partir da integração automática entre o nosso sistema Multidimensional com o serviço EcoRisk, cuja finalidade é a elaboração de Ratings de ESG, é feita a consulta e análise das informações advindas das mais diversas fontes referentes aos riscos socioambiental, climático e de transição, tais como Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), Justiça do Trabalho, Instituo Nacional de Meteorologia (INMET), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Portal Brasileiro de Dados Abertos, Portal Nacional de Licenciamento Ambiental, Estudo socioambiental e Sistema Sensorial da Élin Duxus e Dados e/ou serviços de geolocalização, entre outras.

Desse modo, a título de exemplificação da dinâmica de produção dos alertas, demonstraremos a seguir o resultado da consulta das seguintes sociedades anônimas:

  • Acumuladores Moura S.A.; e
  • Vale S.A..

Ao consultarmos o CNPJ da Acumuladores Moura (09.811.654/0001-70), temos os resultados de alertas Físico Atmosfera e de Transição Climática. No EcoRisk, a caracterização do risco climático físico do cliente se dará a partir dos alertas de Clima – Físico e de Transição.

Resultado da Consulta do EcoRisk – Acumuladores Moura S/A

No DRSAC, estes alertas equivalem à categoria Avaliação Consolidada, igual ao Código 01.

A Avaliação Consolidada (01) representa a avaliação final de risco climático físico (ou tag <RiscClimFis>) e de transição (ou tag <RiscClimTrans>) das exposições ao risco da operação de crédito e TVM, risco do cliente e setor econômico do cliente.

Estrutura Alertas DRSAC – Acumuladores Moura S.A.

Resultado da Consulta do EcoRisk – Vale S.A.

No que concerne à consulta para Vale S.A. (CNPJ: 33.592.510/0001-54), temos os resultados de alertas de Transição Climática e Licenciamento Nacional. No EcoTisk, a caracterização do risco Climático Físico do cliente se dará a partir do alerta de Clima – Transição. Já em relação ao alerta de Licenciamento Nacional, este compreende a verificação de necessidade de licenças ambientais. Neste caso, há indicação de ocorrências relativas ao cliente buscado, sendo constatado o CNAE sem licença para o estado de Minas Gerais – MG.

No DRSAC, o alerta de Clima – Transição (<ou tag RiscClimTrans>) é equivalente à categoria Avaliação Consolidada, igual ao código 01 das exposições. Quanto à caracterização do risco social do cliente, a partir do alerta de Licenciamento Nacional (ou tag <RiscSoc>), este equivale à categoria Danos a Populações ou Comunidades, igual ao código 5 das exposições de cliente e setor econômico.

Estrutura Alertas DRSAC – Vale S.A.

Preenchimento Automático de Emissões GEE

A coleta de dados de emissões de GEE é feita junto ao Registro Público de Emissões. Caso o histórico de emissões não seja informado em nenhuma das operações, utiliza-se as informações agregadas, com preenchimento automático coletadas no cadastro de emissões históricas, sendo possível avaliar o histórico de absorções e emissões de GEE, conforme podemos observar no DRSAC. Do contrário, caso qualquer uma das operações do cliente detenha informações de histórico de emissões de GEE, utiliza-se a soma dos saldos indicados.

Emissão de GEE DRSAC – Acumuladores Moura S.A.

Estrutura da Fonte de Coleta – Registro Público de Emissões GEE

Acumuladores Moura S.A.

Vale S.A.

Últimas Palavras

As informações são consolidadas no DRSAC, permitindo avaliar:

  • Risco socioambiental;
  • Risco climático físico;
  • Risco climático de transição;
  • Indicador de contribuição positiva;
  • Mitigador para risco climático físico;
  • Histórico de absorções e emissões de gases do efeito estufa (GEE);
  • Expectativa de absorções e emissões de GEE;
  • Compensação de emissões de GEE; e
  • Agravantes e mitigadores para cada tipo de exposições.

Ao implementar o DRSAC 2030 populado com avaliações ESG, a instituição financeira demonstra um compromisso sério com a gestão responsável dos riscos associados às questões socioambientais e climáticas, o que pode ajudar a proteger sua instituição financeira contra potenciais impactos adversos e a promover práticas sustentáveis.

É fundamental continuar acompanhando as orientações do legislador e estar sempre atualizado sobre as melhores práticas e regulamentações relacionadas ao gerenciamento de riscos socioambientais e climáticos, garantindo assim a conformidade contínua e a eficácia das suas políticas e procedimentos.

Mediante isso, ao optar pela nossa ferramenta, os usuários também contarão com uma documentação técnica que possui especificação das estruturas, metodologia, política de risco e características gerais.

Disclaimer

As empresas utilizadas como exemplo não tem qualquer relação com a Élin Duxus e foram apresentadas aqui de forma meramente didática, não representando nenhuma recomendação de investimentos sobre as mesmas.


Todos os informações apresentadas são originados em nossa API EcoRisk e no nosso Sistema de Risco de Crédito Multidimensional e avaliados pelo nosso corpo técnico, composto por especialistas em diferentes nichos do risco bancário, para fins de consultoria e auxílio em temáticas dessa natureza.

Nosso limite é o horizonte!

Confecção do Documento DRSAC 2030

Com o intuito de atender aos novos requerimentos legais, no que tange ao gerenciamento do risco socioambiental e climático por parte do BACEN, incorporamos ao nosso escopo o demonstrativo DRSAC 2030.

Integração do Sistema Multidimensional com o Serviço EcoRisk

Para gerar corretamente o documento em questão, o legislador prescreve a vinculação das informações relativas, tanto às operações de crédito, quanto de títulos de valores mobiliários (TVM), com a política de gerenciamento ESG (Environmental, Social and Governance) das instituições financeiras.

Por isso, nossa solução conta com a integração automática entre o nosso sistema Multidimensional – responsável pela assimilação e mensuração do perfil de crédito das carteiras dos entes financeiros – com o nosso serviço de EcoRisk, cuja finalidade é a elaboração de Ratings de ESG a partir da consulta e análise das informações advindas das mais diversas fontes referentes aos riscos ambiental, climático, social e de transição (Ministério do Trabalho, Justiça do Trabalho, Instituo Nacional de Meteorologia, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Portal Brasileiro de Dados Abertos, entre outros).

Política de Gerenciamento ESG

Mediante a isso, ao optar pela nossa ferramenta, os usuários também contarão com uma documentação técnica que possui especificação das estruturas, metodologia, política de risco e características gerais da ferramenta.

Corpo Técnico Qualificado

Outra vantagem que nossa plataforma oferece é o acesso, sem intermediários, ao nosso corpo técnico, que é composto por especialistas em diferentes nichos do risco bancário, para fins de consultoria e auxílio em temáticas dessa natureza.

Nosso limite é o horizonte!

COPOM no horizonte: Visão de 12-dez-23

Em dia de COPOM temos mudança de direção do mercado apenas para março. Veja abaixo:

O Resultado

Utilizando os dados de fechamento de mercado coletados no dia 12 de Dezembro, as expectativas de mercado foram:

Taxa SELIC atual: 12,25% a.a.

Decisão de Dezembro/23:

  • 100% acreditam em QUEDA de 0,50 ou SELIC a 11,75%

Decisão de Janeiro/23:

  • 50% acreditam em QUEDA de 0,50
  • 50% acreditam em QUEDA de 0,75

Decisão de Março/24:

  • 90% acreditam em QUEDA de 0,75
  • 10% acreditam em QUEDA de 0,5

Constatações

O mercado na data de ontém manteve seu posicionamento alinhado de que hoje o COPOM decidira por uma taxa de apenas meio por cento na Selic. Assim, para o ano que vem não temos mais as promessas especificas de direção do COPOM e o mercado especula um pouco mais.

Essa especulação se apresenta já para janeiro, com metade do mercado desde semana passada apontando em redução da Selic de 0,5 enquanto a outra metade aponta 0,75. Isso nos diz que metade vai perder muito dinheiro, qual, teremos que aguardar para ver.

Para março tivemos a maior movimentação do mercado, onde antes o mercado estava dividido entre uma redução de 1 ponto percentual ou 0,75, agora 90% esta apontando numa redução de 0,75 enquanto 10% esperam a mesma corriqueira redução de 0,5 como desse ano. Assim vemos que o mercado esta considerando que o COPOM vai acelerar a redução, como tantas vezes se acreditou. Hoje não há dúvida da redução de 0,5 e fecharemos o ano com 11,75 de taxa.

Resumo das alterações – Resolução BCB n° 352 de 23/11/2023

Com o advento dos novos procedimentos para contabilização de instrumentos financeiros trazidos pela normativa internacional para relatórios financeiros (IFRS 9) e divulgada pela International Accounting Standards Board (IASB), o Bacen e a CMN promulgaram as resoluções 4.966, 309 e 352, que visam adaptar as convenções internacionais à realidade do mercado financeiro brasileiro.

Desse modo, com o intuito de contribuir com o debate e a compreensão dessas legislações, elencamos a seguir os principais pontos de atualização trazidos pela mais recente delas: Resolução 352.

(i) Ponto nevrálgico:

Prescrição dos procedimentos dos normativos de IFRS 9, no que concerne à hedge accounting, classificação e reclassificação de instrumentos financeiros de instrumentos e modelo de provisão por estágios de risco para instituições de pagamento e auxilares do mercado financeiros (sociedades corretoras de títulos e valores mobiliários, sociedades distribuidoras de títulos e valores mobiliários, sociedades corretoras de câmbio e administradoras de consórcio).

Desse modo, tais instituições, foram legalmente equiparadas às financeiras, cuja regulamentação está sedimentada junto à Resolução 4.966.

(ii) Revogação e incorporação da Resolução 309:

A nova resolução incorpora plenamente o texto da Resolução 309. Com isso, manteve-se a exigência para que todas as instituições, autorizadas a funcionar pelo Bacen, incorporem o dimensionamento das perdas incorridas – conforme o anexo I dessa resolução – e esperadas, a qual deve seguir o modelo do anexo II, se for optante pelo metodologia simplifica para apuração probabilidade de inadimplência.

Vale destacar que as demais instituições, tanto financeiras quanto auxiliares, deverão seguir o modelo da 4.966 mantendo a repartição por estágios de risco e modelo de stress macroeconômico (forward-looking).

Por fim, a vigência dessa norma se inicia em janeiro de 2024, no que se refere aos procedimentos de contabilização, e encerra-se em janeiro de 2027 com a implementação dos demais dispositivos.

Futuro do IPCA – Epílogo

Após 2 anos de acompanhamento, este é o 4° e último post sobre risco de base de inflação, entre IPCA e IGP-M.

[Jan -2021] O início evidenciou o descolamento entre os índices de inflação IPCA e IGP-M. Isto é relativamente normal, haja vista a composição e metodologia de cada índice. Mesmo que um índice descole em relação ao outro (risco de base), a tendência ainda é de convergência. Afinal, é tudo inflação.

[Nov-2021] A primeira premissa foi de um retorno para a normalidade do risco de base entre os índices com um palpite inicial de velocidade de retorno igual à velocidade de descolamento. Ou seja, um “V” simétrico que representaria um IPCA anual de 10,5% ao ano, por 3 anos seguintes.

[Nov-2022] Um ano após a premissa inicial, o descolamento já dava o formato de sua trajetória de retorno. Seria ainda um “V”, mas assimétrico, com uma inflação, a partir de Nov/22, de 8% ao ano por mais 3 anos.

Tubulão de 8 do V Assimétrico

Agora, ao final de 2023, a tendência continua a mesma. O IPCA permanece no “tubulão” de 8% ao ano do “V” assimétrico, com um comportamento mais suave em resposta a um IGP-M que devolve um pouco da sua inflação, muito por conta do recuo do dólar americano dos patamares recordes de 2022.

Os mais otimistas podem dizer que o IPCA furou o “tubulão de 8” no limite inferior, mas a tendência geral permanece. Ou seja, ainda falta IPCA para chegar.

Este retorno do IPCA para a base de medição do IGP-M pode ser um dos motivos de cautela que o COPOM (mite de POlítica Monetária) vem tendo nos ajustes de taxa SELIC. Mas este efeito inflacionário era e continua sendo incontrolável. Melhor seria ter culpado o COVID-19 pelos estouros inflacionários e aguardo o seu retorno, sem movimentos bruscos.

Se o dólar se valorizar, o IGP-M voltará a se movimentar. Mas isto não está muito no radar, da mesma forma que não esta no radar a moeda americana perder valor frente ao real. Sendo assim, o IGP-M deve ficar mais estável e o IPCA deve mostrar sua fome de correção.

Conclusão

Faltam mais 2 anos de inflação no IPCA na ordem de 8% ao ano. Para fugir disto e ainda equilibrar a base (p.e. puxando o IGP-M para baixo), algum remédio teria que ser prescrito e pode ser que seja muito amargo para o estado do paciente.

COPOM no horizonte: Visão de 05-dez-23

Novamente tivemos pouco movimento no mercado de forma geral, semana passada os dados se mantiveram estáveis, essa semana apenas janeiro apresentou mudança. Veja abaixo:

O Resultado

Utilizando os dados de fechamento de mercado coletados no dia 5 de Dezembro, as expectativas de mercado foram:

Taxa SELIC atual: 12,25% a.a.

Decisão de Dezembro/23:

  • 100% acreditam em QUEDA de 0,50 ou SELIC a 11,75%

Decisão de Janeiro/23:

  • 50% acreditam em QUEDA de 0,50
  • 50% acreditam em QUEDA de 0,75

Decisão de Março/24:

  • 50% acreditam em QUEDA de 0,75
  • 50% acreditam em QUEDA de 1,00

Constatações

Dezembro uma vez mais mostra que o mercado está alinhado com o COPOM para uma queda de 0,5 ponto percentual na Selic com 100% nessa direção. É certo que a queda sera de 0,5 apenas na semana que vem aos olhos de todos.

Janeiro apresentou a unica mudança dessa semana, o mercado na mesmana semana passada estava estavel em de 35% na direção de 0,50, a outra parte estava em 65% indo na direção de redução de 0,75, Agora temos o mercado dividido na metade, o que fez essa mudança e divisão do mercado é uma incognita.

Para março continuamos com o mesmo cenário pela terceira semana com o mercado ainda dividido, 50% aposta em uma redução de 0,75, os outros 50% em uma redução de 1,00. O interessante é notar que onde o Bacen delimitou a ação baliza bem o mercado, já o território desconhecido tem as apostas divididas, ou seja, a unica certeza é que uma metade vai perder.

COPOM no horizonte: Visão de 28-nov-23

A expectativa do mercado pela primeira vez em nossos estudos se manteve estável, ou melhor, com mudanças tão irrisórias que não afetam a análise. Assim, seguem os resultados dessa semana:

O Resultado

Utilizando os dados de fechamento de mercado coletados no dia 21 de Novembro, as expectativas de mercado foram:

Taxa SELIC atual: 12,25% a.a.

Decisão de Dezembro/23:

  • 100% acreditam em QUEDA de 0,50 ou SELIC a 11,75%

Decisão de Janeiro/23:

  • 35% acreditam em QUEDA de 0,50
  • 65% acreditam em QUEDA de 0,75

Decisão de Março/24:

  • 50% acreditam em QUEDA de 0,75
  • 50% acreditam em QUEDA de 1,00

Constatações

Dezembro, como vimos semana passada, o mercado está alinhado com o COPOM para uma queda de 0,5 ponto percentual na Selic com 100% das apostas e era esperado este valor se manter estável dado que o BACEN deu sinal da direção.

Janeiro tem o mercado na mesma orientação de 35% acreditando que a taxa Selic irá se reduzir em apenas 0,50, a parte majoritária de 65% indo na direção de redução de 0,75.

Para março temos o mercado ainda dividido e de forma estável desde a semana passada, 50% aposta em uma redução de 0,75, os outros 50% em uma redução de 1,00. Sem grandes mudanças temos boa parte do mercado vendo aceleração na redução da taxa. Uma semana sem grandes movimentações mas mostrando o mercado estável em suas decisões, será que teremos grandes movimentações até o fim do ano, leitor? COPOM de dezembro promete.

COPOM no horizonte: Visão de 21-nov-23

Tivemos os resultado final do COPOM e o mercado estava razoavelmente alinhado com a promessa do Bacen como vimos nos posts anteriores. A Selic caiu mais 0,5 ponto percentual, agora nos aproximando do fim do ano e também da janela de promessas do Bacen temos 2024 como solo fértil para novas incertezas como apontado na ultima ata.

O Resultado

Utilizando os dados de fechamento de mercado coletados no dia 21 de Novembro, as expectativas de mercado foram:

Taxa SELIC atual: 12,25% a.a.

Decisão de Dezembro/23:

  • 100% acreditam em QUEDA de 0,50 ou SELIC a 11,75%

Decisão de Janeiro/23:

  • 35% acreditam em QUEDA de 0,50
  • 65% acreditam em QUEDA de 0,75

Decisão de Março/24:

  • 50% acreditam em QUEDA de 0,75
  • 50% acreditam em QUEDA de 1,00

Constatações

Dezembro temos o esperado, mercado alinhado com o COPOM para uma queda de 0,5 ponto percentual na Selic com 100% das apostas. Como nos anteriores e dada a constância do Bacen não deve haver grandes divergências entre o mercado e o Bacen até o fim de 2023 e devemos observar esse comportamento nas semanas seguintes.

No primeiro COPOM de 2024 a expectativa esta mais direcionada a uma aceleração na velocidade de queda da taxa Selic, 35% do mercado acredita que a taxa Selic irá se reduzir em apenas 0,50 , a parte majoritária de 65% preve uma redução de 0,75.

Para março temos o mercado dividido, 50% aposta em uma redução de 0,75, os outros 50% em uma redução de 1,00. Confirmando que o mercado esta aguardando uma redução cada vez mais agressiva por parte do COPOM para o ano que vem. Com isso tudo teremos uma Selic de 11,75 ao fim do ano de presente de natal e iniciaremos 2024 com certas incertezas, e você leitor? Acredita que 2024 acelera ou desacelera a redução?